Eu apoio o nível superior dos Agentes de PC: Tarcísio Otoni e Ricardo Toledo

Lutando incessantemente para que o nível superior dos Agentes de Polícia Civil seja reconhecido pelas autoridades, a Associação dos Agentes de Polícia Civil (Agenpol), começou a campanha “Eu apoio o nível superior dos Agentes de PC”, que foi aderida por policiais de diversos cargos da Polícia Civil do Espírito Santo.

Essa é a terceira matéria especial da campanha e foi realizada com os Delegados da Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos Delegado Tarcísio Otoni (titular) e Ricardo Monteiro de Toledo (adjunto).

Os delegados Tarcísio e Ricardo apoiam a luta dos agentes de polícia civil pelo nível superior por tudo que essa categoria realiza dentro da instituição policial.

Antes de se tornar delegado, Tarcísio Otoni atuou como agente de polícia civil entre 2009 e 2012. E hoje apoia o nível superior para o cargo.

“Já faz tempo que o agente de polícia civil desempenha eminentemente a função investigativa e a investigação para seu êxito necessita de conhecimento multidisciplinar que é adquirido com nível superior e formação em diversas áreas do conhecimento. E é importante que o agente tenha o nível superior”, explica.

Otoni ainda conclui, “Dentro da polícia existem funções que podem ser tranquilamente desempenhadas por nível médio e com menor despesa para o Estado, mas que não está dentro da atividade fim da polícia. O policial que está na atividade fim tem que ter o nível superior”.

Para o Delegado Adjunto Ricardo Monteiro de Toledo, que veio do estado do Paraná, onde os cargos investigativos são únicos e com nível superior também apoia a campanha da Agenpol.

“Eu apoio o nível superior! É mais do que justo por tudo que os agentes têm feito por todos esses anos. Hoje a única diferença é na nomenclatura, porque na prática tudo que é feito por um investigador é feito também por um agente”, garante.

Toledo vê a necessidade de se ter todos os cargos sendo de nível superior. “No meu ponto de vista não existe a menor motivo para existir essa diferenciação, por exemplo aqui na delegacia existe investigadores e agentes e eles trabalham da mesma forma, recebem os mesmos trabalhos, não existe diferenciação”, conclui o delegado.

O presidente da Agenpol, Paulo Andrade Pignaton, em nome de toda sua diretoria e sua categoria. Agradece o apoio que os colegas estão dando na luta dos Agentes de Polícia Civil em busca do nível superior.